28 abr 2016

Na crise, repense os fornecedores

A única constante é a mudança, disso todo mundo sabe. Todo mundo conhece também algo denominado zona de conforto, um mal que atinge as pessoas, mas que também está nas empresas. Afinal de contas, de que as são feitas as empresas? Em algum momento num passado não muito distante a sua empresa deve ter notado um problema e investido tempo e dinheiro para resolvê-lo. Foram definidos papéis (pessoas), processos e adotadas tecnologias para fazer a máquina funcionar. E funcionou! Mas, será que ainda é eficiente?

A melhor forma de sair da zona de conforto é passar por uma crise. O mundo bate em você e não há outra saída a não ser revidar. A turbulência político-econômica que vivemos obriga as empresas a se mexerem. A palavra de ordem é reduzir custos. Geralmente se começa por rever os contratos com os fornecedores. Mas o que se descobre no meio do caminho é ainda mais revelador: aquela solução já não atende mais. Muito provavelmente o fornecedor esqueceu de você. Não só o nível de serviço caiu como a plataforma tecnológica se manteve estagnada. O que foi a sua solução no passado hoje é o seu problema.

Vejamos o caso da construção Civil, por exemplo. Um problema muito comum nesta área esta relacionado ao volume de notas fiscais. Há alguns anos atras o mercado iniciou um movimento de digitalização destes documentos para agilizar o processo e reduzir custos com malote e guarda física. Foi uma boa solução, mas que trouxe consigo outros efeitos colaterais. O cadastro manual das notas ficais no processo de digitalização é muito propenso a erros. Na época, na ausência de tecnologia se investiu em pessoas e processos. O resultado é uma quantidade de passos maior (pessoas que fazem conferência) e um Backoffice inflado nas empresas. Nos últimos anos houve um amadurecimento da Nota Fiscal eletrônica, portanto, é chegada a hora de adicionar mais tecnologia aos processos.

É preciso rever os processos sempre. O que foi a sua solução no passado hoje pode ser  seu problema.

O mundo esta em constante transformação e é por isso que se fala tanto na capacidade de se adaptar e inovar. As empresas devem estar atentas a isso não só olhando para si, mas, principalmente olhando para suas parcerias. Em outras palavras, a adaptabilidade e evolução tecnológica deve ser um critério a ser levado em consideração na contratação de um fornecedor. Pois é preciso considerar se aquele que parou no tempo e agora é reativo as demandas do mercado não cometerá o mesmo erro daqui há alguns anos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *